Criminalidade em Santa Catarina pior que no estado de São Paulo

No ano de 2008, Santa Catarina conseguiu atingir uma marca histórica negativa: ultrapassou a criminalidade do estado de São Paulo. Enquanto a criminalidade em Santa Catarina cresceu 180% nos últimos 10 anos, o estado de São Paulo, por exemplo, diminuiu 79% no mesmo período.

A população catarinense tem sofrido paulatinamente com o aumento da criminalidade e hoje, ao deparar-se com os altos níveis de criminalidade, em contrapartida há poucos anos atrás que tínhamos o estado mais seguro do país, se vê apavorada diante de tantos assaltos, homicídios, tráfico de drogas e outros crimes que tem acabado com a paz e a tranqüilidade de todos.

Esta tão triste constatação é agravada por outros indicadores sociais que, a médio e longo prazo, apontam ainda para a piora do quadro. O processo acelerado de urbanização nas grandes cidades catarinense, a diminuição no número de matriculados e a piora na freqüência escolar no ensino fundamental, nos mostram que a melhora é ainda mais difícil de ser alcançada do que se pensa. Diante disto a conclusão é que o modelo atual de Segurança Pública está desgastado e que necessita de uma urgente e ampla reformulação.

Deve-se fazer uma análise fria, livre de idéias pré-concebidas, corporativismos institucionais, ingerência política, despreparo das pessoas envolvidas e desculpas de qualquer ordem, para se buscar as soluções para o problema, pois a continuar-se neste rumo em breve a situação pode ficar fora de controle e quanto mais o tempo passa e não se tomam medidas efetivas de mudanças às soluções se tornam cada vez mais difíceis.

Devemos buscar a saída, inicialmente, nos princípios da administração que nos mostram que quando o desempenho está ruim tem que se estabelecer metas e prazos; tem que ser implacável com estruturas obsoletas, ser rápido nas decisões e atitudes, rápido na mudança das pessoas ineficientes; pois é só assim que se atinge os objetivos.

No atual quadro caótico em que se encontra a Segurança Pública a primeira atitude a ser tomada é analisar pormenorizadamente o atual modelo:

  1. Quais são as partes que compõe o sistema de Segurança Pública?
  2. O que cada parte tem feito de ruim e de bom?
  3. Qual o modelo utilizado?
  4. Quais os outros modelos que obtiveram o mínimo de êxito?

A segunda atitude a ser tomada é manter e ampliar o que foi feito de bom; que tem sido insignificante, e extirpar o que se tem feito de ruim; que tem sido muito. Por último, devemos ser vigilantes para manter um sistema exitoso, pois ao mesmo tempo em que sabemos que para construir é demorado e difícil, também sabemos que para destruir é rápido e fácil.

Florianópolis, 21 de Janeiro de 2011

 

Fonte: Jadir Vieira. Opine sobre este e outros artigos no site S.O.S Segurança Pública.

About these ads

Os comentários estão fechados.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: